Por: Auris Sousa

Elizenilton Almeida de Oliveira, de 28 anos, humanizou o seu dom de cuidar. Há quase três anos deixou de prevenir e reduzir apenas as perdas patrimoniais da empresa, e estendeu este ofício para a vida dos metalúrgicos. Isso porque uniu duas funções: segurança patrimonial e cipeiro.

ElizeniltonArimÉ a segunda vez que o companheiro é membro da Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) na Arim. Seu dia a dia é ser vigilante. “Depois que passei a ser cipeiro, também faço inspeção da rotina do trabalhador. Todos os dias vejo se todos estão bem. Se tem alguém com problema. Sempre oriento, fico à disposição”, explica Oliveira.

O interesse do companheiro em ser cipeiro é um só: “Quero que os trabalhadores voltem para casa da mesma forma que entrou para trabalhar [com saúde, em segurança]”, ressalta ele. “Machuca a gente saber que alguém morreu vítima de um acidente [de trabalho]. Sou pai de duas crianças, e de uma que está para nascer. A felicidade do ser humano é a família, quando falta alguém é um sofrimento danado”, completa.

Avanços – Entre os as conquistas registradas pela Cipa, Oliveira destaca: “A troca dos óculos.  Tínhamos um modelo que ficava embaçado com frequência. [Graças à atuação dos cipeiros], a empresa trocou por óculos mais adequados”, detalhou.

Outra ação digna de comemoração é o “Projeto Saúde e Visão”, implantado pela Arim, por meio da intervenção dos cipeiros. O programa consiste em identificar os metalúrgicos que precisam trabalhar com óculos de grau. Para isso, todos da empresa passaram, ou vão passar, por exame oftalmológico.  “Tem pessoas que têm problema na visão, mas não percebem. Através deste exame vão saber se precisam usar óculos. [Além disso,] a empresa vai colaborar com a compra”, conta.

Elizenilton Almeida de Oliveira é aquele que está no dia a dia dos trabalhadores e se interessa pelas necessidades de cada um. “Busco saber o que o trabalhador precisa para trabalhar de forma segura. Fico contente pelo apoio que tenho do grupo, da equipe de segurança do trabalho, e dos demais cipeiros”, finaliza satisfeito.